quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

ENQUANTO ISSO NO AEROCLUBE DA PARAÍBA


Foi num rio de lágrimas que Paulo dos Santos Onofre, conhecido como Paulo Zarolho, saiu do Aeroclube da Paraíba ontem. Além de não poder mais brincar de aeromodelismo, o jatinho de seu pai ficou impedido de levantar voo.

A Prefeitura Municipal de João Pessoa acabou com a festa dos playboys do aeromodelismo e dos donos de jatinho. Revolta total. A Associação dos Aeromodelistas da Paraíba, entidade formada por 7 membros, sendo dois de Recife, fez um protesto veemente na pista destruída. Paulo Zarolho, conhecido por traficar cocaína nos aeromodelos teve um piti e ameçou se jogar diante das máquinas. Sua prima Ana Jovania, de apelido Ana Fodinha, num ato de desespero profundo quis saltar de paraquedas em cima de um trator bulldozer. Como havia tomado dois vidros de xarope pra emagrecer, teve um piti e desmaiou em frente ao trator para delírio dos fotógrafos e da imprensa local.

“Painho não merecia isso”, lamentava-se Chico de Souza, sobre a impossibilidade de seu pai viajar de Campina Grande a João Pessoa de learjet. Na verdade o painho dele aproveitava estas viagens para abastecer a capital com maconha prensada vinda de Orobó. “Mainha tá com depressão”, relatava Beto Palmeira e completava “ela saia toda quinta pro salão de beleza Neuza Mega Hair Style Fashion (templo da beleza das madames do brejo paraibano) e agora tem que escovar a peruca em Guarabira”.

Houve um abaixo assinado com 16 assinaturas em prol da manutenção do Aeroclube. É de se notar os grandes benefícios que este clube presta a João Pessoa. Lá pousam jatinhos de ricos empresários e alguns narcotraficantes. De lá decolam jatinhos levando sérios políticos para suas fazendas. Muitos riquinhos vão ao aeroclube pra brincar com seus aeromodelos enquanto não compram suas próprias aeronaves. Dá pena mesmo ver esta população ser privada de seus brinquedinhos e jatinhos.

Na verdade eles escondem que o Aeroclube da Paraíba servirá para uma base militar em 2012, quando no momento do apocalipse, uma nave mãe vinda de Plutão resgatará as ovelhinhas eleitas: pessoas de bem que perderam a boquinha de ocupar uma área gigantesca em meio a prédios e casas com seus aviões e brinquedinhos.

Drink dos sem pista de pouso:
três doses de conhaque
um charuto cubano (evite colocar na dose)
um copo de leite aerado
Tome tudo e fique “nas nuvens”

5 comentários:

mayclio disse...

Adriano e sua peculiar forma de rir de tudo... Genial seu artigo sobre a "catástrofe" do aeroclube!

Philio disse...

Adorei! É isso mesmo.

Angelo disse...

Proponho aos defensores do Aeroclube que aí está (estava?) que adotem como lema aquela velha canção imortalizada (?) na voz de Biafra: "Voar, voar, subir, subir..."

Angelo disse...

Proponho aos defensores do Aeroclube que aí está(va), que reajam (!) e adotem como lema aquela velha canção de Biafra: "Voar, voar, subir, subir..."

jardins de coral disse...

Ha!!!!!!!!!!!!!!!!!!